Diversos

Mesa digitalizadora: qual modelo você precisa (se é que precisa)?

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr
Anúncios Google

“Mas o que é essa tal de mesa digitalizadora afinal de contas?” – perguntarão novatos no mundo da arte digital.

Isso aí embaixo é uma tablet gráfica, ou mesa digitalizadora – não confunda com o outro tablet, aquele mais conhecido, que parece um computador portátil com touchscreen. Com ela, você pode desenhar exatamente, ou quase, como faria no papel, transmitindo os comandos para a tela. No caso de modelos mais caros (como a Cintiq, da Wacom), você “desenha” diretamente sobre uma tela sensível à pressão da caneta digital. Uma mão na roda para qualquer artista que se preze.

Mas (sempre tem um mas), tudo seria perfeito se não fossem pequenos problemas. O primeiro deles, notoriamente, são os preços desses brinquedinhos. Um modelo mais básico – da melhor marca, diga-se de passagem – custará pelo menos uns R$300,00, pra ser bastante econômico…

Atualização 04/2014: alguns modelos estão ainda mais baratos. Hoje são encontrados na faixa dos R$150,00.

Modelos top de linha tem valores tão elevados que você nem acreditaria se eu contasse… então veja do que estou falando:

tablet mesa digitalizadora Cintiq
Precinho bacana…

Iniciante, intermediário ou avançado?

Dependendo de seu nível de conhecimento e qual o objetivo de uso delas, a escolha pelo seu modelo ideal fica menos difícil. São poucas marcas significativas no mercado, e as tablets da Wacom são as mais famosas e de melhor qualidade (não, não é post patrocinado :P).

Pesquisando em sites de leilão e lojas online, você encontra grande variedade de modelos e preços. Mas o mais importante é saber quais as características que tornam uma tablet realmente eficiente para seu tipo de trabalho.

1) Níveis de pressão: quanto mais, melhor. Quando a caneta digital é pressionada contra a superfície da mesa, dependendo da força aplicada, o resultado será mais ou menos próximo da realidade de se pressionar um lápis ou pincel contra o papel.

Modelos básicos como o Bamboo têm 1024 níveis de pressão, o que já é interessante, enquanto profissionais como o Intuos 4 XL têm 2048 níveis.

Botões de atalho e zoom2) Acessórios: basicamente, uma caneta de qualidade, que não use pilhas nem bateria (funciona por ressonância eletromagnética) e ocasionalmente o mouse, se bem que alguns usuários simplesmente descartam o velho rato – se você tem sofrido com LER, usar a mesa digitalizadora em lugar do mouse vai aliviar muito o stress em sua mão e pulso.

Embora não sejam exatamente acessórios, botões de atalho e navegação também fazem diferença. Mesmo nos modelos básicos eles estão presentes, sendo sensíveis ao toque na aplicação de zoom, e botões de atalho programáveis.

3) Tamanho: se você for amador ou só vai fazer trabalhos ocasionais, recomendo que não gaste centenas ou até milhares de reais com mesas enormes e profissionais. Seria como alguém que só usa pacote Office e internet gastar uma pequena fortuna numa máquina com placa de vídeo top de linha.

A não ser que tenha uma reserva financeira bastante confortável (ou seja, dinheiro não seja problema), invista num modelo básico. O tamanho aproximado fica entre 15 x 10 cm de área ativa, e tamanho total de 25 x 15 cm. Isto é mais que suficiente para criar bons trabalhos com algum conforto.

Eu tenho uma Bamboo Small e recomendo totalmente para usuários iniciantes e até intermediários. Ela é pequena, cabe em mesas modestas e representa uma melhoria fantástica em relação ao uso do mouse.

Atualização: este post é bem antigo e a Bamboo Small foi descontinuada. Há outros modelos interessantes e baratos no site da Wacom.

4) Preço: se seu orçamento for apertado como da maior parte dos mortais, não sinta vergonha em investir em modelos básicos! A Bamboo Small pode ser encontrada com valores próximos a R$250,00, enquanto outras marcas como Genius e Light (?) ficam perto dos R$120,00 (embora eu não recomende as muito baratas).

5) Marca: lendo esse post, alguns vão achar que é propaganda da Wacom, já que não me canso de citá-la como a mais confiável e com os produtos de melhor qualidade… Mas basta uma breve pesquisa e você verá que não sou apenas eu a dizer isto. Mesmo a linha básica (Bamboo Small e Bamboo Fun, por exemplo) é  de grande qualidade, empregáveis mesmo em trabalhos profissionais por muito tempo, até que você decida investir num top de linha.

Portanto, recomendo que ao comprar sua primeira mesa digitalizadora, economize e em vez de “gastar” menos em uma marca de menor expressão, “invista” um pouquinho mais num produto que não vai virar dor de cabeça mais adiante. Já se você não se preocupa com qualidade superior, não tem pretensão de aprendizado futuro ou só vai usar a tablet para escrever notas, então compre seu modelo barato e boa sorte!

Conclusão

Se você realmente quer chegar ao “próximo nível” como artista digital, investir em ferramentas de qualidade é fundamental e uma mesa digitalizadora é sem dúvida uma boa escolha. Alguns resultados em pintura digital jamais serão obtidos sem ela – ou no mínimo, vai dar muito mais trabalho.

Leia também → Pintura digital com o mouse: “Devorador de Almas”

Se for iniciante, não tenha dúvidas em investir num modelo básico de marcas confiáveis; ele servirá muito bem até o dia em que sentir necessidade de algo mais profissional.

Atualização 05/2014: já se vão 4 anos e continuo firme e forte com minha Bamboo MTE-450, e uso bastante, a ponta da caneta está até meio gasta. Não sem alguns probleminhas: os leds de dois botões parecem ter queimado, mas de resto, funcionamento continua impecável. Um dos melhores R$300,00 já gastos.

Fundador do Tutoriart em 2010, é ex-instrutor de Photoshop, design web e gráfico. Em quase uma década de redação online, tem cerca de 1500 artigos publicados. Gerencia também o Memória BIT.

Pin