Diversos

Por que o Photoshop é tão caro – programas similares grátis

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr
Anúncios Google

Atualização 12/11/14: esse artigo já tem alguns anos e muita coisa mudou. A mudança para o sistema “pague pra usar” do Photoshop CC trouxe uma nova abordagem à discussão, pelo menos parcialmente (o preço das assinaturas mensais ou anuais ainda são discutíveis). Hoje podemos usar o programa com planos a partir de pouco mais de R$20,00 por mês pela Creative Cloud.

A grande reclamação dos usuários do Photoshop, não só brasileiros, não é relacionada a nenhum filtro ou dificuldade de uso, mas sim com o preço. Ter em casa uma versão completa e legalizada do programa pode custar quase o equivalente a 4 salários mínimos, o que seria um absurdo se comparado ao preço no mercado americano – menos de um salário*.

Mas será que o preço é mesmo tão alto, ou o investimento de várias centenas de reais em um aplicativo vale em comparação com as vantagens que oferece?

Afinal, o que faz o preço praticado pela Adobe no seu software mais conhecido e mais usado no mundo ser tão elevado em mercados externos? Como diria o “poeta”: o Photoshop é caro ou nós é que somos pobres e sovinas?  😀

Nota: antes de continuar, quero deixar claro que não recebo nada para fazer propaganda dos produtos Adobe, nem sou advogado/entusiasta de software livre ou pago. O que está escrito nesse artigo é fruto de pesquisa, somado com algumas opiniões pessoais. Leia, tire suas próprias conclusões e seja feliz!

Custo

O Photoshop é produzido pela Adobe, uma multinacional com sede em San Jose, na Califórnia. Tem presença em mais de 120 países, com quase dez mil funcionários, entre engenheiros, desenvolvedores, equipe de testes, funcionários de fábrica, etc. Não é de se espantar que uma empresa de tal porte tenha, assim como lucros, muitas despesas, mas será que isso é suficiente para explicar o preço tão disparatado no Brasil (e em outros países também) em relação ao Photoshop vendido nos Estados Unidos?

No lançamento, a versão completa (Extended) do Photoshop CS5 podia ser encontrada, nos Estados Unidos, por US$999,00, enquanto no Brasil a mesma não saía por menos de U$1500,00! Embora a edição regional – em português – seja ligeiramente mais barata, a disparidade de preços ainda é enorme.

O problema não acontece só aqui. Na França, o absurdo era ainda maior: €1400,00. Essa diferença exorbitante de preços praticados fora dos Estados Unidos tem sido causa de muitas críticas a Adobe. A explicação de representantes da empresa seria a alta taxação de cada país para produtos importados, de tecnologia, etc.

Outra razão (e essa compreensível) seria que a versão Extended, citada no exemplo, é indicada aos profissionais como designers, fotógrafos e empresas do segmento, cujo investimento traria retorno futuro, compensando portanto o alto valor pago na ferramenta.

O que grande parte do público não leva em conta é que o Photoshop não é só um programa de entretenimento e diversão (embora possa ser), e sim uma ferramenta profissional completa. Do mesmo modo que uma máquina de costura ou um fogão industrial são bem mais caros que os seus similares voltados ao uso doméstico, o preço do Photoshop também é mais alto, por envolver pesquisa, trabalho, resultando num produto final mais completo que qualquer outro.

Ou seja: se você não ganha dinheiro usando o Photoshop e não vai precisar dos recursos avançados da versão Extended (poucos designers, mesmo profissionais, realmente precisam), pode ter o básico com as “domésticas”, como o Photoshop Elements, voltado exatamente a esse tipo de consumidor.

Vamos considerar: R$199,00 não é um valor absurdo se você realmente quer ter um Photoshop.

Página do Photoshop Elements 9

Precisa da versão mais cara?

A diferença entre o Photoshop Extended e o Elements, em preços, é gritante: a versão “leve” sai por cerca de R$200,00, contra os mais de US$1000,00, hoje, da completa. Esse preço baixo é parte da estratégia da Adobe de combate à pirataria e popularização do PS, já que o pacote profissional é quase “impagável” para usuários casuais.

A principal diferença entre as duas está nas ferramentas avançadas, como 3D e edição de vídeo – que boa parte dos usuários médios sequer usam, pois só fazem ajustes como remoção de olhos vermelhos, correções de tons de pele e iluminação. Nesses casos, a aquisição de algo tão caro não faz sentido, a não ser que você pretenda ser profissional num futuro bem próximo.

É o mesmo caso na venda de hardware: leigos acabam sendo seduzidos pela lábia do vendedor promoção a levar a máquina mais poderosa da loja, com uma super placa de vídeo, 8 GB de memória, 4 TB de disco rígido… e no final, só vai editar textos e navegar na internet, desperdiçando milhares de reais com a depreciação que virá ao longo do tempo – durante o qual ele jamais usará nem metade do “poder de fogo” do equipamento.

Atualizações

Outra reclamação são as frequentes atualizações. “Mal acabei de comprar o Photoshop original e já saiu outro, deixando o meu desatualizado“. Se notarmos as diferenças entre CS4 e CS5, podemos sim dizer que muitas ferramentas foram melhoradas e algumas surgiram, mas afirmar que precisa trocar imediatamente para a nova versão é bobagem. Está mais pra consumismo do que necessidade.

Caso uma atualização venha logo depois de você comprar o Photoshop, não há motivo pra muita preocupação, até porque a Adobe oferece descontos para quem migra de versões mais antigas para a atual (isso se você quiser e/ou precisar da atualização). Por melhores que sejam as ferramentas da atualização, dificilmente elas são tão fundamentais para demandar o upgrade Photoshop.

A prova disso é que ainda são usadas versões antigas em escolas de informática, escritórios de design de pequeno porte e por freelancers pelo país afora. Eu mesmo aprendi a usar com a versão 6, quando a mais recente era a CS2 (ou seja, três atualizações de atraso), sem grande prejuízo.

Alternativas

Se ter o Photoshop original está fora de questão e a Elements não é do seu agrado, há recursos a se considerar, como programas gratuitos. Entre os mais conhecidos:

Visite a página do Gimp

Gimp: programa de código livre que, segundo os desenvolvedores, conta com mais de 90% das funções do Photoshop, além das próprias, e que vem “roubando” muitos usuários há alguns anos, graças a uma grande comunidade que inclui fóruns de ajuda em português.

Minhas experiências com ele não foram das melhores por ter todos os “cacoetes” do Photoshop, mas faz bastante tempo que usei e acredito que tenha melhorado muito. Vale a pena experimentar.

Visite a página do Paint.NET

Paint.NET: projeto que surgiu como desenvolvimento do Painter, editor básico de imagens do Windows, e acabou crescendo.

Por mais que os defensores de software livre enalteçam as virtudes e até proclamem que cada um deles é melhor que o Photoshop, a verdade é que esses gratuitos não conseguiram ainda reproduzir na totalidade seus recursos. Se assim fosse, todos os estúdios de design já teriam deixado de gastar milhares de dólares pagando licenças a Adobe e usariam os gratuitos (é verdade que algumas fizeram isso como apoio ao software livre, mas são minoria).

Mesmo assim, são ótimas opções até para trabalhos profissionais, caso você não tenha dinheiro pra investir – às vezes até mais completos que o Photoshop Elements. Quanto mais força o software livre tiver, maior será a concorrência, quem sabe levando a Adobe a baratear seus produtos ainda mais num futuro próximo?

Comprar ou não comprar?

Se você não tem grandes pretensões com o Photoshop, como estudá-lo a fundo e/ou criar peças profissionais, e quer só retocar ou “cropar” as fotos do fim de semana e fazer montagens por diversão, comprar a versão Extended seria um ENORME DESPERDÍCIO. Você terá pago por recursos que dificilmente vai usar.

Por outro lado, se já estuda ou trabalha, mesmo que de forma autônoma, com design gráfico, edição de imagens, etc, considere o valor do software não como um gasto, mas um investimento que provavelmente valerá cada centavo.

Só uma dúvida permanece, e só a própria Adobe pode explicar: por que o preço tão mais elevado do Photoshop fora dos Estados Unidos? Será mesmo a questão da taxação? 🙁

Fontes

* Baseado no salário anual nos Estados Unidos, de US$$15080,00, ou cerca de US$1256,00 por mês.

Fundador do Tutoriart em 2010, é ex-instrutor de Photoshop, design web e gráfico. Em quase uma década de redação online, tem cerca de 1500 artigos publicados. Gerencia também o Memória BIT.

21 Comments

  1. Ótimo post! Esclareceu muitas dúvidas, inclusive os comentários! Mas parece que ainda ficarei sonhando com o dia em que poderei comprar tudo o que a Adobe tem a me oferecer! Se por diversão ou ferramenta de trabalho, seria o máximo mesmo ter super poderes capaz de criar programas tão bons quanto a Adobe! kkkkkk

    • DanielLemes Reply

      Obrigado, Geo, mas até atualizei o artigo pra lembrar que hoje a Adobe tem outro sistema pra “vender” o Photoshop, com assinaturas mensais. Ficou mais acessível pra quem não podia pagar milhares de reais de uma vez só.

  2. Vinícius Gama Reply

    Também devemos levar em conta os autos impostos do Brasil, já parou para pensar quanto desse R$1.500,00 o governo está tomando?

    • DanielLemes Reply

      Verdade, é bastante. Mas outros países também reclamaram do alto preço.
      Vamos ver agora se com o novo formato de distribuição (pagamento mensal por uso) o que vai acontecer.

  3. MUITO OBRIGADO PELA IMFORMAÇAO , VOU AGORA MESMO BAIXAR O GIMP !! OBRIGADO E FICA COM DEUS.

  4. É terrivel ver que a pirataria é o jeito mesmo…
    Encontrei um pirata aqui do Master Collection que estou usando e é simplesmente perfeito ‘-‘

    Você baixa a Trial da Adobe, e troca um arquivo que executa o contador de dias da trial, e então, ele simplesmente bloqueia essa mensagem fazendo você poder usar o software para sempre, é GENIAL!

    E eu estou com até pena da Adobe, porque se ela não mudar, esse crack provavelmente servirá para todos os programas, encontrei ele no The Pirate Bay, estava cheio de seeders, ou seja, GRANDE PERDA DE DINHEIRO DA ADOBE(Mete rítimo na frase).

  5. Fabiana Santana Reply

    Olá gostei muito de tudo o que disse e vou seguir sua sugestão em usar o Gimp como usuária domestica estou fazendo um curso de fotografia e estou completamente apaixonada mas preciso de algo mais então resolvi ter um programa em meu computador mas quando procurei vi que é mais caro do o o curso que quero fazer que seria a faculdade de fotografia para me torna uma fotografa profissional pois é o que quero ser no futuro amo fotografia num todo em especial (paisagens natureza e flores )amo fotografar a vida acho que fotografia é uma arte arte plena obrigada.

  6. Ótimo post amigo, deu pra ter uma boa noção se vale a pena ou não adquirir o photoshop em sua versão integral. Realmente é um investimento alto. Desnecessariamente alto. Vou testar os programas que você sugeriu.

    Um abraço e sucesso no blog.

    O Bronco.

  7. Olá a todos,

    Sou usuário profissional do photoshop (suíte) como freelancer já há algum tempo. A maioria das pessoas (inclusive pequenas e médias empresas) não usam o software original devido ao seu altíssimo valor. Tudo bem que é uma ferramenta que trará “retorno”, porém, isso não justifica que a Adobe cobre valores absurdos pelos programas. Como tive problemas em usar o photoshop que tinha, um amigo me indicou o Gimp e achei ele uma boa alternativa para substituir aos poucos o photoshop. Claro que ele ainda é novato e vai precisar evoluir muito pra chegar a ser como os programas da Adobe, porém se a Adobe continuar a cobrar absurdos estará fadada a ter fortes concorrentes mais a frente, e isso, não terá volta.
    Se a Adobe olhasse melhor veria que existe uma gigantesca fatia de mercado que gostam de usar seus programas independente de serem profissionais ou não mas que estão descobrindo novas ferramentas que poderão sim a vir a fazer frente aos programas da Adobe mais a frente o que para eles será uma problemão se não acordarem. O que eles deviam fazer é olhar para todos os usuários. Se por exemplo toda a suíte custasse R$ 500,00 muitos poderiam comprar em 5x de R$ 100,00 o que facilitaria para todos terem os programas originais sejam nas empresas ou em suas casas. Quanto Será que a Adobe faturaria se os valores fossem mais em conta?

    • Concordo, Willys. É a mesma questão do Windows: cedo ou tarde, com o gradual desenvolvimento do Linux, o sistema da Microsoft vai estar entre a cruz e a espada – baixar muito o preço para manter a competitividade ou ver os sistemas grátis tomando o mercado.

      Nunca gostei muito do Gimp, por achá-lo ainda um pouco limitado, mas ele tem ficado melhor a cada atualização. Acredito que cedo ou tarde competirá de fato com o Photoshop, aí a Adobe terá que repensar suas políticas…

    • Pode ser, Victoria. Mas além de ilegal, esses programas são modificados e normalmente carregam um monte de trojans e spywares. Afinal, quando algo é de graça sempre é bom desconfiar.

  8. O Gimp realmente é muito bom para quem só quer retocar umas fotos ou montar umas imagens para colocar em suas redes sociais. Dá até para trabalhar profissionalmente com isso, e tem muitos que fazem. Mas a maioria dos profissionais já se especializaram no photoshop e tem ferramentas nele que não tem no Gimp, o que pode atrasar um pouco o trabalho, mas não impedi-lo. Já o Inkscape não acho que perca em nada ao CorelDraw. Acho até melhor. Um amigo meu que tem cursos na área de design até se espantou com um efeito que ele não tava conseguindo fazer no corel. Deu tempo de eu baixar e instalar o inkscape para mostrar o efeito emquanto ele caçava uma opção parecida no corel.

    • amendogaba Reply

      GIMP fede, hprrendo. iNKSPACE CONSEGUE SER PIOR QUE O COREL

  9. Cara, em 90% dos sites de downloads tem esse programa pra baixar, os únicos que compram são empresas que são supervisionadas de perto pela fiscalização do governo… Hoje em dia não compensa comprar nada, quando se trata de programas de computador…

    • E olha que mesmo em empresas (algumas até de médio porte) o que mais se vê é programa pirata; eu cansei de ver isso em algumas por onde passei. Eu diria que supervisão mesmo, só em grandes companhias, multinacionais e similares.

  10. Eu sou muito fã da adobe, tenho todos os programas da adobe cs5 e sou apaixonada por todos eles, e realmente e uma pena eles serem carissimos,maaaaaaaaaasss to nem aee, como falei tenho todos eles e meu namorado hackeia todos pra mim mesmo,nessas horas sou fã da pirataria,se pudesse piratiar carro eu seria a favor
    tenho todos os programas adobe cs5 e corel x5 e todos são exelentes parabens

    • Oi Helen, obrigado por comentar

      É verdade que em alguns casos o pirata acaba sendo a única saída, infelizmente…
      Mas claro que ter o original é MUITO melhor. Além de ter um bem (que você pode vender depois, por exemplo), ainda terá suporte oficial do fabricante, e se algo der errado, terá com quem reclamar.
      Fora os riscos envolvidos em programas piratas, como spywares, malwares e todo tipo de vírus que podem ser inseridos no programa modificado.

      Valeu e cuidado com esses piratex aí!

  11. Realmente o que deixa muitas pessoas sem poder adquirir um Photoshop ou outro programa pago é o preço mesmo.
    Agora fiquei feliz de saber que tem uma versão mais barata(e cara ao mesmo tempo!!rs) do Photoshop.
    Agora o que sonho(meta) é comprar o pacote master mesmo,que está bem baratinho !kk US $3.159,00…
    Abraço!

    • Verdade que o preço não é muito acessível… 🙁
      Se a grana estiver meio curta, pode tentar uma versão anterior do Photoshop (como a CS3 ou CS4, por exemplo). Sempre que uma atualização chega, as versões anteriores costumam baixar de preço.
      Boa sorte!

Write A Comment

Pin