Estrutura

Páginas Indispensáveis Em Um Blog

Anúncios Google

Ao iniciar seu blog, algumas páginas devem ser criadas tanto para ajudar o usuário a encontrar o que você posta e saber um pouco sobre o lugar em que está, assim como para cumprir deveres legais. Se você, por exemplo, for usuários de programas como o Google AdSense, é obrigado por contrato a manter no blog uma página explicando detalhes técnicos que seus visitantes têm o direito de saber.

Se seu conteúdo for interessante, muitos leitores também terão curiosidade em saber algo sobre quem escreveu o artigo, sobre o blog, como entrar em contato… por isso, algumas páginas estáticas serão fundamentais para atender a essas necessidades. Por incrível que pareça, muita gente inicia blogs e os mantêm por muito tempo sem uma simples página “Sobre”.

“Sobre”

Alguns autores podem achar legal ficar postando no anonimato, ou com um nickname, mas isso não é uma boa para quem pretende ter sucesso. Parte das pessoas não vai confiar em artigos escritos anonimamente, o que é compreensível. Dependendo do conteúdo do blog, até é aceitável – como nos de humor ou que tem um perfil mais informal. Mas em blogs técnicos, com temas mais sérios, profissionais, anonimato passa a impressão de falcatrua, covardia e medo de dar a cara a tapa. Pelo menos pra mim.

Isso não quer dizer que você deva escancarar sua vida pessoal e transformar o blog num centro de fofocagem sobre você, ou que deva ficar no Twitter do blog postando coisas como “acabei de comer um biscoito, acabei de sair de casa”, etc. Eu mesmo uso o nick “Iceman” em outro blog, mas na página “Sobre”, deixo informações relevantes sobre mim. Não se empolgue e acabe transformando a página que deveria dar informações úteis ao visitante num dossiê de 10 MB sobre sua vida – tenha certeza de que a maior parte dos leitores está pouco se lixando se você gosta da banda X ou de bolinhos de chuva.

O que colocar na página Sobre então?

O que você acharia útil em um blog que costuma visitar? Pra mim, informações interessantes na página são: uma breve descrição profissional sua (não precisa do currículo completo), algo sobre o início do blog e objetivos, uma coisinha simpática e superficial sobre sua vida pessoal (opcional), e dados de contato pessoal. Não coloque contatos do blog na página Sobre se ela fala sobre o autor, deixe isso para a página “Sobre o Blog”.

Você também pode dividir a página Sobre em duas seções – uma falando sobre o blog e outra sobre você. Acho uma opção interessante para evitar a criação de duas páginas “Sobre”, e é o que costumo fazer.

“Contato”

Seu leitor certamente quer falar com você – se não quiser agora, ainda vai querer, seja para contratar seus serviços, descer o pau em você por algo que escreveu e ele não gostou, te elogiar, etc. A área de comentários dos posts pode não ser o lugar ideal para tratar de todos os assuntos, e para isso você precisa de uma página de contato.

Em outros tempos, era preciso codificar um formulário de contato, algo que embora não seja tão difícil, não é lá muito acessível. Hoje existem excelentes plugins no WordPress que geram um form de contato com o uso de um simples shortcode. Aqui no Blog Aprendiz uso o Contact Form Plugin, da BestWebSoft, gratuito e que não requer muitas configurações. Basta instalar, criar uma página “Contato”, fornecer o email que vai receber as mensagens e usar o shortcode.

Lembre-se que a página de Contato não existe só para deixar seu blog “bunhitinho”. É pra responder as mensagens recebidas, de acordo com as necessidades, ou logo seus visitantes ficarão chateados com sua falta de atenção.

“Anuncie / Mídia Kit”

Se o blog já tem um bom número de visitas (por experiência pessoal, eu diria que no mínimo mil por dia, embora alguns blogueiros digam menos), é hora de oferecer um Mídia Kit, uma apresentação do que seu blog oferece de interessante para um anunciante que queira aparecer nele. Logo, se seu blog tem pouco tempo de estrada (caso atual do Blog Aprendiz, neste Fevereiro de 2012), não tem o mínimo sentido tentar vender espaço para anunciantes, pois provavelmente ele não terá retorno algum.

No mídia kit, basicamente você deve “vender seu peixe”, explicando o que o blog oferece ao leitor, fornecer informações sobre seu público (se você as tiver, caso contrário, não invente dados) e qualquer outro que possa convencer o anunciante que ali é um bom “ponto de venda” para o produto dele.

Veja alguns Mídia Kits que podem servir de modelo (não copie, use como inspiração para criar o seu).

“Privacidade” e “Política de comentários”

Páginas de privacidade/políticas de uso são fundamentais; blogs que usam AdSense, por exemplo, devem obrigatoriamente oferecer ao leitor informações sobre criação de cookies e rastreamento de informações de navegação, sob risco de banimento do sistema caso não as tenha. A Google é bem clara quanto a isso:

Os editores do Google AdSense devem ter e cumprir uma política de privacidade que divulgue que terceiros podem inserir e ler cookies no navegador dos usuários ou que podem usar beacons da web para coletar informações como resultado da veiculação de anúncios em seu website.

Para criar sua página com as políticas de privacidade, você pode copiá-la do modelo abaixo, e colocar em uma página com o título “Privacidade” ou “Política de privacidade”, por exemplo. Só não deixe de criá-la.

Este é um modelo de política de privacidade para quem usa AdSense, a mesma que eu uso. Copie e use em sua página “Privacidade”.

Este site pode utilizar cookies e/ou web beacons quando um usuário tem acesso às páginas. Os cookies que podem ser utilizados associam-se (se for o caso) unicamente com o navegador de um determinado computador.

Os cookies que são utilizados neste site podem ser instalados pelo mesmo, os quais são originados dos distintos servidores operados por este, ou a partir dos servidores de terceiros que prestam serviços e instalam cookies e/ou web beacons (por exemplo, os cookies que são empregados para prover serviços de publicidade ou certos conteúdos através dos quais o usuário visualiza a publicidade ou conteúdos em tempo pré determinados). O usuário poderá pesquisar o disco rígido de seu computador conforme instruções do próprio navegador.

O usuário tem a possibilidade de configurar seu navegador para ser avisado, na tela do computador, sobre a recepção dos cookies e para impedir a sua instalação no disco rígido. As informações pertinentes a esta configuração estão disponíveis em instruções e manuais do próprio navegador.

O Google, como fornecedor de publicidade de terceiros, utiliza cookies para exibir anúncios neste site. Com o cookie DART, o Google pode exibir anúncios para os visitantes e usuários com base nas visitas feitas a este e a outros sites na Internet.

Os usuários podem desativar o cookie DART visitando a Política de privacidade da rede de conteúdo e dos anúncios do Google.

Este site não utiliza emails enviados para práticas de spam.

Este site não se responsabiliza pelo conteúdo, promessas e veracidade de informações dos banners colocados pelos patrocinadores. Toda a responsabilidade é dos anunciantes.

Além disso, é recomendável também criar páginas com políticas de uso de seus conteúdos e moderação de comentários. Em políticas de uso (ou direitos de uso), especifique quais conteúdos de seu blog podem ser (ou não) copiados, reutilizados ou transmitidos, e quais ações você tomará caso as regras sejam violadas – isso ajuda a manter clonadores de conteúdo longe.

Explique também se emails usados em comentários são ou não utilizados em campanhas de marketing, descartados ou arquivados. Qualquer dado captado ao utilizar seu blog deve ser de conhecimento prévio do usuário.

Na página com políticas de moderação, você deve deixar claros seus métodos de avaliação e aprovação de comentários, contatos e demais participações de usuários. Se sua área de comentários não deve virar um playground de links, avise antes, pois evitará muitas participações com esse propósito. Com termos claros, será fácil direcionar visitantes mal informados para lá, onde ele entenderá a razão de ter um comentário retido, por exemplo.

“Parcerias”

A prática de troca de links é fortemente criticada por alguns especialistas em SEO, já que se mal configurados, os links podem cair na “malha fina” do Google e identificados como uma tentativa de aumentar a relevância do blog na pesquisa, uma prática desonesta e passível de punição.

Porém, se os links são úteis, criados com o intuito de ajudar seus visitantes a encontrar material parecido com o seu, e em quantidade moderada, não há problema; quatro a seis, talvez um pouco mais. Alguns bloggers colocam os links e banners de parceiros na sidebar, o que não gosto, acho poluente demais para o visual – prefiro deixá-los agrupados em uma página própria, onde não ficam expostos a todos os visitantes, mas só aos realmente interessados: os que clicaram no link para a página de parceiros.

Troca de links é opcional. Se achar melhor, não faça e ponto final, mas leve em consideração o que for melhor para seu visitante, e não elimine parcerias só porque lhe disseram que é pecado. Lembre-se de sempre usar o atributo nofollow nos links de parceiros, e não exagerar na quantidade. Apenas links de parceiros realmente top.

Veja o que o Google diz sobre a troca de links com intenção de fraudar o rankeamento de suas páginas:

[…]alguns webmasters atuam em esquemas de troca de links e constroem páginas exclusivamente para as referências cruzadas de links, desconsiderando a qualidade dos links, das fontes e do impacto de longo prazo que isso vai ter nos sites. Isso vai contra as Diretrizes do Google para webmasters e pode ter impacto negativo na classificação do site nos resultados das pesquisas

Se acha que estou falando bobagem, leia estes artigos

“F.A.Q.”

Para facilitar sua vida caso costume receber as mesmas perguntas com frequência, uma página F.A.Q. (Perguntas Feitas Frequentemente, do inglês Frequently Asked Questions) pode ajudar. Conforme seu blog cresce, e a participação dos usuários se torna mais ativa, vá observando quais as dúvidas recorrentes, elas são boas candidatas à presença na FAQ.

“Créditos”

Se você usou recursos de outros autores, sites e blogs em seu projeto, é justo dar-lhes crédito por isso, e não precisa colocar links na sidebar ou outro lugar aleatório. Com uma página de Créditos, você pode organizar as fontes, tanto para divulgar o trabalho de quem lhe ajudou, quanto para dar essas informações aos visitantes interessados.

Não é incomum, por exemplo, que visitantes entrem em contato perguntando qual a hospedagem que você usa, qual seu template, se pode usá-lo também, quem criou seu logo… Com tudo isso devidamente creditado, é só redirecionar esses visitantes para lá, sem precisar repetir feito um papagaio sempre que lhe perguntam.

 

Estas são algumas páginas que ajudarão seus visitantes, você e os robots. Lembre-se de que algumas são obrigatórias, outras opcionais; você deve decidir o que é melhor para você e seu projeto.

Se tiver alguma outra sugestão de página relevante que eu não tenha citado, fique à vontade para comentar. Até!

Imagem do post: Puzzle

Author

Fundador do Tutoriart em 2010, é ex-instrutor de Photoshop, design web e gráfico. Em quase uma década de redação online, tem cerca de 1500 artigos publicados. Gerencia também o Memória BIT.

1 Comment

Write A Comment

Pin