Ideias

Cartazes de propaganda – guerra, política e revolução

Cartazes de propaganda usadas em guerras e revoluções. Figuras icônicas como Tio Sam, Rosie the Riveter e muito mais.
Anúncios Google

Há séculos a propaganda é usada como meio de propagação de ideologias, tanto benéficas quanto nas mais torpes manipulação das massas. Passando por campanhas beneficentes, necessidade de alistar jovens nas forças armadas em tempos de guerra, divulgação de trabalhos ou partidos políticos e crenças religiosas, é uma arma importante na busca por influência.

Trabalhos gráficos em propaganda entraram para a história, como a imagem do “Tio Sam” convocando jovens norte-americanos às armas durante a Primeira Guerra Mundial, os cartazes anti-americanos do nazismo e da Coreia do Norte, o agitprop comunista e muitos outros.

Veja neste artigo uma pequena galeria de trabalhos artísticos na propaganda com cunho político, especialmente surgidos em tempos de guerra e revolução.

Uncle Sam Wants You

Uncle Sam Want You

A clássica imagem que convocava jovens às armas (O Tio Sam Quer Você no Exército dos Estados Unidos) durante a Primeira Guerra Mundial, foi ilustrada por James Flagg, em 1917.

A origem do Tio Sam é mais antiga: nasceu em 1813 com Samuel Wilson, membro do Exército Revolucionário da Guerra de 1812, sendo responsável pelo abate e guarda da carne da tropa. Como marcava os barris de alimentos com a siga U.S (de United States), os soldados passaram a referir-se a ele como Uncle Sam.

Thomas Nast Uncle Sam

As primeiras caricaturas conhecidas apareceram décadas depois por Thomas Nast, já com o bigode e barba brancos.

We Can Do It!

We Can Do It Rosie the Riveter

Rosie the Riveter, ilustração de J. Howard Miller, 1942, virou ícone do feminismo e do poder econômico feminino. Surgiu nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, representando as mulheres que iam trabalhar em fábricas de munição e suprimentos, já que os homens haviam ido para os fronts. Cartazes similares foram usados em vários países em contexto similar, encorajando mulheres ao serviço voluntário.

“Rosie the Riveter” foi citada primeiro numa canção do mesmo ano, inspirada em “Ronnie, The Bren Gun Girl”, ou Veronica Foster, personagem real que trabalhou em fábricas de munição na Segunda Guerra e foi explorada pela propaganda bélica no Canadá.

Gee, I Wish I Were a Man

Gee I Wish I Were a Man

O cartaz, de 1917,  foi inspirado em Bernice Smith, jovem barrada no recrutamento da Califórnia durante a Primeira Guerra, e que teria proferido a frase “Gee!! I wish I were a man, I’d join the Navy” (algo como “Jesus!! Eu queria ser homem para me alistar na Marinha”).

O artista Howard Chandler Christy, que já havia publicado artes em diversas revista da época, conheceu a moça e a usou como modelo do cartaz, destinado a incentivar os homens a alistarem-se; mas a própria Bernice insistiu e conseguiu seu objetivo, tornando-se a primeira mulher na Califórnia a fazê-lo.

You Buy ‘em, We’ll Fly ‘em!

You buy em we ll fly em

Pôster da Segunda Guerra, com aviadores da força aérea norte-americana. Fazia parte da publicidade dos War Bonds, passando a ideia de que o dinheiro arrecadado pelos doadores ajudaria a comprar aviões de guerra (“Você os Compra, Nós Voamos”). Dos Wilkisons, 1942.

To Have and To Hold

war bonds to have and hold

Usado pelo tesouro americano para motivar aquisições dos War Bonds, fundos de arrecadação em forma de títulos, que geram dinheiro com fins militares. São uma maneira de obter recursos e gerar entre os civis um sentimento patriótico, clamando pela participação mais efetiva da população em questões militares. Autor desconhecido, 1944.

Recrutamento belga

nazi belga pôster

A demonização do inimigo é uma arma comum da propaganda. Neste cartaz que circulou na Bélgica, os jovens são convocados ao alistamento na Waffen-SS. O símbolo da divisão nazista está cravado num dragão vermelho com símbolo judeu no pescoço e cercado por restos humanos.

Do with less  – so they’ll have enough!

Do With Less and They ll Have Enough

Mais um da Segunda Guerra, buscava instilar tanto na população quanto entre os soldados a necessidade de racionar o uso dos recursos, escassos em tempos de guerra. “Faça com menos e eles terão o suficiente “. Autor desconhecido, 1943.

Recentemente virou meme na internet, com a inclusão de um texto como “How About a Big Nice Cup of Shut Up? Think Before You Say Something Stupid” (Que Tal Uma Bela Caneca de Cale-se? Pense Antes de Dizer Algo Estúpido”) em lugar das palavras originais

Do It Righ Make It Bite

do it right make it bite

Também da Segunda Guerra, promovendo o trabalho nas fábricas de material anti-aéreo. De Cecil Beall, 1942.

Minha Honra

holanda poster nazista

Supostamente o último cartaz nazista produzido na Holanda, com o tema “Minha Honra”.

Remember Dec. 7th!

Pearl Harbor Remember dec 7th

Feito para o U.S. Office of War Information, logo após o ataque à Pearl Harbor, para despertar nos jovens o sentimento de defesa da nação e a inspiração de seguir a carreira militar. De Allen Saalburg, 1942.

Liberators

Liberators Anti Americanism Nazi

Propaganda nazista anti-americana em tom de chacota. Mostra os EUA como uma máquina bestial, cheia de simbolismos como o capitalismo (saco de dinheiro), índios, “a perna mais bonita do mundo” em provável referência às pin-ups, etc.

O texto sarcástico em holandês diz “De U.S.A. zullen de Europeesche Kultuur van den ondergang redden“, algo como “Os EUA vão salvar a cultura da Europa da destruição” (se tiver alguém fluente em holandês para melhorar isso, eu agradeço). Autor desconhecido, 1944.

A Pátria-Mãe Chama!

the motherland is calling poster

Cartaz da “Pátria Mãe”, da propaganda soviética. Autor desconhecido, 1941.

Revolução Cultural

Propaganda People s Liberation China

Cartaz da Revolução Chinesa. Autor desconhecido, 1969.

Revolução Cultural 2

Cartaz revolução chinesa

Dois soldados do Exército da Libertação Popular da China.

Eutanásia

nazi eutanasia eugenia

Belo cartaz, mas com objetivo sórdido: propagação da defesa da eutanásia e eugenia na Alemanha nazista (departamento de “rassenpolitischen”, política racial), sob argumento do custo que um cidadão inválido dava aos cofres públicos.

A tradução do texto é algo como: “60000 RM é o custo desta pessoa com problemas hereditários à comunidade nacional durante sua vida. Amigo cidadão, este é o seu dinheiro também.”

Todos Con Fidel

poster todos con fidel

Cartaz cubano, chamando todos a acompanhar o discurso de Fidel no 1º de Maio na Praça da Revolução. Autor desconhecido, 1965.

Você Tem um Dever

cartaz revolução constitucionalista 1932

Cartaz paulista da Revolução Constitucionalista de 32, convocando jovens a participar da luta armada contra as forças federais.

Stop Him and the Job’s Done

stop him and the jobs done propaganda wwii

Cartaz norte-americano da Segunda Guerra, fazendo referência aos japoneses. “Pare-os, e o trabalho está feito”.

Obama Hope

Obama Hope Propaganda

Na campanha presidencial dos EUA, a eleição de Obama foi marcada por imagens como o cartaz com as cores patrióticas e o tema “Esperança”, de Shephard Fairey, em 2008. Foram produzidos cartazes com outros temas como “Mudança” e Progresso.

Curiosidade: Fairey arrumou uma grande dor de cabeça com o cartaz. Após a vitória de Obama, o Smithsonian Institution adquiriu a arte original, mas a Associated Press exigiu direitos por ele ter usado uma de suas imagens como base da criação (fotografia de Mannie Garcia, de 2006). Fairey primeiro alegou que havia usado outra foto, tirada por ele mesmo, depois quis qualificar legalmente sua peça em “fair use“. Pra piorar, descobriu-se que ele tentou destruir provas do uso da imagem da AP de um HD, ato pelo qual acabou foi condenado a 300 horas de serviços comunitários, e pagar uma fiança de US$25 mil. Sua situação com a AP foi selada fora dos tribunais, em acordo não revelado.

Esmaguem os Capitalistas

esmague o capitalismo

Cartaz visto no palácio do ditador norte-coreano Kim Jong Il, reproduzido pelo artista Chris Logotta. O texto diz algo como “Vamos esmagar os bastardos capitalistas” (quem entender coreano é bem-vindo com uma tradução melhor). Autoria desconhecida (essa reprodução, como explicado, é de Chris Logotta).

Vamos expulsar os imperialistas

expulsar os imperialistas

Propaganda norte-coreana, anti-americana. O texto diz algo como: “Vamos mandar os imperialistas americanos pra fora e reunificar a terra pátria!

Brincando de guerra

brincando de guerra coreia do norte

Mais um norte-coreano na linha dos bizarros, que tem como alvo as crianças, fomentando nelas o sentimento anti-americano. O texto diz algo como “Brincar de guerra estrangulando porcos americanos é empolgante“.

Chamado ao alistamento

Waffen SS poster

Cartaz nazista convocando jovens ao alistamento na Waffen-SS, uma das divisões das SS de Hitler, logo que completassem 17 anos. “Entrada após a conclusão de 17 anos de idade”.

A Serviço de Nosso Povo

holanda poster nazi

Cartaz holandês nazista, mais um convocando ao alistamento. “A serviço de nosso povo. E você? Seja um W.A. Man”.

Cartaz anterior (e outros) em uso na Holanda durante a ocupação alemã.

holanda ocupada nazi

Author

Fundador do Tutoriart em 2010, é ex-instrutor de Photoshop, design web e gráfico. Em quase uma década de redação online, tem cerca de 1500 artigos publicados. Gerencia também o Memória BIT.

1 Comment

Write A Comment

Pin