Primeiros Passos

10 erros que podem afundar um site um blog

Erros básicos que você deve evitar se quiser uma vida longa para seu projeto online.
Anúncios Google

Como principiante, não tem jeito: você vai cometer erros ao começar um projeto online. Alguns podem ser fatais para seus planos de prosseguimento. Na minha vez, cometi alguns que fui corrigindo através de leitura e aprendizado constante. Felizmente, alguns blogueiros, redatores e webmasters falam dessas experiências, de frustrações e acertos — melhor que aprender com o próprio erro, é aprender com o erro alheio, não?

Resolvi listar os 10 erros dos mais graves que lembro ter cometido. Mesmo graves, talvez não pudessem ter sido evitados naquele estágio, quando eu ainda engatinhava no assunto. Muito do seu desenvolvimento virá na base da tentativa e erro, então se estiver cometendo algum, não se desespere, é normal.

Só não continue errando!

Não erre o alvo! Fique de olho em possíveis falhas que podem levar seu site ao fim prematuro.

1. Hospedagem grátis

O maior e mais clássico dos erros de qualquer iniciante. Esse tipo de serviço é interessante quando seu site ou blog não tem grandes pretensões. Se for brincadeira, teste, temporário, as hospedagens grátis são excelentes para aprender a usar painel de controle, configurar domínios, etc.

Mas se está começando um projeto com planos sólidos, de torná-lo atividade séria, quer muitos visitantes, e quem sabe ganhar dinheiro, esqueça hospedagens grátis. Por mais que confie no seu taco e pense “posso ganhar dinheiro com serviços grátis porque vou me empenhar e fazer a diferença“, há questões técnicas tornam isso IMPOSSÍVEL.

Se seu site for interessante e o número de visitante aumentar, terá problema de estabilidade. Não é talvez, é certeza. A transferência mensal permitida em servidores grátis é baixa. O mesmo vale para tamanhos de banco de dados e vários outros recursos. Eles não são feitos para sites grandes (nem sequer médios, na verdade).

2. Domínio grátis

O domínio é importante no SEO do blog ou site, mas mesmo escolhendo um URL com todas as palavras-chave relevantes para seu nicho, o domínio grátis terá efeito devastador nele.

Primeiro, pelo fato de estar frequentemente associado a spam e práticas nocivas na internet. Não muito tempo atrás, o Google deixou de apresentar resultados de pesquisa com certos domínios, como co.cc, levando todos que usavam esse serviço à estaca zero.

Segundo, porque a reputação de um site com domínio grátis não é a mesma de um domínio pago. A gratuidade em tudo leva a crer que o projeto não é sério — já que o autor não gasta míseros 15 ou 20 dólares num domínio, poderá abandonar o projeto a qualquer instante.

Resumindo: domínio grátis queima seu filme.

3. Sites de download ilegal

Num remoto passado, já tive um blog de download, desses com resenha de álbuns e links para download que pegava por aí (fazer upload nem pensar, minha internet era horrorosa naquele tempo). Além de ser ilegal, mesmo que você não faça os uploads, não terá vantagem alguma. Nem financeira, nem de satisfação.

Se seu plano é estimular discussões, desista, pois ninguém comenta nesses blogs a não ser com perfis fake. E geralmente, só para reclamar de links quebrados, às vezes em tom patronal, como se você tivesse obrigação de corrigi-los imediatamente.

Se quer monetizar, desista duplamente. Aí é que será crime mesmo: você estará lucrando em cima de álbuns (ou outros materiais) protegidos por direito autoral. Fora que a maior parte dos programas de afiliados não aceitam sites de download.

Então, pense um jeito de criar. Conteúdo criativo é o que leva seu projeto online adiante.

4. Má escolha de template

O template (tema) que vai usar não é só questão de estética. Tempo de carregamento, uso correto de tags e scripts em locais corretos fazem enorme diferença no desempenho. Ter pontos estratégicos para widgets e um código fácil de ser editado também ajuda.

Ao usar temas grátis, veja se não tem um monte de links do autor no rodapé; alguns exageram só porque estão oferecendo o produto de graça e aí resta abandonar. Há excelentes opções por aí, e ao contrário do que foi dito sobre domínio e hospedagem, eles podem dar conta perfeitamente de projetos profissionais. É só questão de filtrar bem. Aqui mesmo, usei templates gratuitos por muitos anos.

Claro que a estética também conta. Deixe para trás temas cheio de estrelinhas piscantes, cursores estranhos que acompanham o mouse ou que soltam fogos de artifício quando o usuário clica. Serve para brincar, mas num projeto sério, jamais. O tema não deve chamar mais atenção do que o conteúdo.

5. Misturar assuntos muito diferentes

Escrever é contagiante, e quando começamos, é fácil perder o controle. Como aquelas pessoas que falam demais, você vai de assunto em assunto, e quando nota, seu blog virou uma salada de discussões variadas. O tema que você havia se proposto a tratar inicialmente ficou embolado naquele meio.

Isso pode parecer bom pra alguns. “Se falo sobre muitos assuntos, meu blog fica mais interessante e mais gente visita“. Um erro, já que poucos chegarão interessados em temas tão diferentes o bastante para assinar suas atualizações, por exemplo. Tente manter o foco, falando sobre vizinhanças daquele tema, mas não fugindo demais.

Não quer dizer que você não possa ter um site sobre variedades! Nesse caso, cada seção deve ser devidamente marcada e respeitada, com feeds independentes para cada assunto.

6. Exagerar em anúncios

Sei que muita gente faz isso. E alguns nem de propósito: querem avaliar o desempenho de blocos com poucas ou muitas visualizações em posições diversas. Mas de forma geral, é péssima ideia, já que além de deixar o site feio, pode ser visto como apelação pelos leitores.

Tem gente que fica ofendida com anúncios em exagero, mesmo que não atrapalhem a leitura.  O mínimo que vão te chamar é de mercenário — e abandonarão o recinto. Até alguns anos, o Google trabalhava com uma limitação de três blocos por página, deixando claro que era um limite (não significava que era pra usar tudo isso). Mas há pouco tempo, com o crescimento do AdBlock e de temas que carregam conteúdo infinito (infinite load), o limite foi extinto.

Boas práticas, contudo, não devem ser abandonadas: não exagere.

7. Pedir contribuição financeira

Esse é ponto polêmico, já que muita gente usa as caixas de contribuição via PayPal ou Pag Seguro. Não que eu ache errado. Talvez num futuro próximo eu também o faça, mas em minhas experiências anteriores, não trouxe resultado. Foram meses com a sugestão de contribuição, e nenhum centavo sequer foi doado. (Edit 2018: fiz outra experiência e de novo, um fiasco, com menos de dez reais doados em quase dois anos)

Sejamos sinceros: quase ninguém doa seja lá o que for na internet. A maioria só entra no site, absorve o que precisa e parte para outra leitura. Você faz isso quase o tempo todo, eu também. Quem pode e decide contribuir é minoria. A não ser que seu site ou blog seja grande — coisa de 5 mil visitas/dia ou mais –, não compensa. Nem comentar ou divulgar o artigo, que é de graça, a maioria faz, quanto menos contribuir com dinheiro.

Então, se quiser ganhar algo do visitante, dê algo em troca (além do blog inteiro que você já dá acesso, pois é). Ofereça um e-book, por exemplo, em troca de contribuições, ou venda e-books se eles forem ótimos. Pedir um café, uma cerveja, ou seja lá o que for, só vai te decepcionar.

8. Censurar comentários

Esse eu não cometi, mas achei interessante falar. Se tem um blog, supõe-se que você esteja a fim de discutir, ou seja, opinar e receber respostas. Se você esconde ou exclui comentários negativos, está censurando o leitor.

Cansei de ver blogs e até sites grandes que, sob argumento de manter a ordem, não publicam comentários críticos. Seja feito de forma construtiva e respeitosa, ou agressivo, barram tudo. Outros, especialmente os que de intuito comercial (querem vender algo disfarçado de opinião), criam contas falsas e enchem os próprios artigos de elogios — você vê que o estilo de escrita é o mesmo do autor…

Se não quer discutir, não inicie um blog. Se abriu o espaço, discuta. Ou feche a área de comentários, crie um site e use um tom mais formal, que não soe como monólogo.  Já levei um monte de pancada por aqui por causa de opinião e até fatos comprovados, mas nem por isso veto opiniões alheias.

9. Cair em provocações

Os trolls de internet estão por aí, loucos por comida. Quando seu projeto começar a crescer, fatalmente virão comentários ofensivos, ignorantes e/ou irônicos. Se respondê-los no mesmo nível, estará dando exatamente o que querem: um pouquinho de atenção. E trolls crescem rápido quando alimentados. Se forem agressivos, desmonte os argumentos de forma racional, ou se perceber má-vontade, ignore.

Fique atento também com posts polêmicos. Fundamente bem sua opinião porque haverá milhares de leitores na defensiva, indignados com sua posição e prontos para discutir. Cuide para não se transformar numa figura detestável;  você não sabe tudo, e rebater veementemente as alegações passa a imagem de espertalhão. Ninguém gosta de espertalhões.

Seja sensato. Se estiverem exagerando, prove que estão errados ou em último caso, ignore. E se estiver errado e perceber, não tenha vergonha de publicar uma errata, um pedido de desculpas. Antes ser humilde que insistir num erro.

10. Ignorar redes sociais

Tráfego orgânico (aquele que chega naturalmente ao seu site ou blog, sem ser por anúncios) é o mais desejado. Ele é formado por um visitante que busca exatamente o que você publicou, com máximo potencial de leitura e conversão em resultados como vendas e assinaturas (leads).

Mas respeitável parcela de seus visitantes virá de redes sociais, como o Facebook e Twitter. Ignorá-los é um erro, já que quase 20% de meus visitantes totais poderão vir delas.

Não deixe de criar uma página de fãs no Facebook e um perfil no Twitter para seu projeto. No mínimo. Outras boas opções são o Pinterest e o Instagram. O Google+ também deve ser considerado, já que está crescendo e tem toda a estrutura “Googleana” por trás Edit 2018: o Google+ será descontinuado em breve. Usando bem as redes, obterá muito tráfego.

Estes são dez erros que podem ser decisivos no fracasso de seu site ou blog. Lembra outros que merecem atenção? Comente e fale de sua experiência!

Author

Fundador do Tutoriart em 2010, é ex-instrutor de Photoshop, design web e gráfico. Em quase uma década de redação online, tem cerca de 1500 artigos publicados. Gerencia também o Memória BIT.

6 Comments

  1. Daniel, parabéns! Um post de primeira, o tom em que escreve é muito agradável de ser lido.

    Agradecido pelas dias.

  2. Gostei de suas dicas algumas dicas são obvias mais tem gente que não é moleee.. parabéns pelo blog e por seus artigos..sucesso ai…

    • Valeu, Michael. Como eu disse, são erros de principiante mesmo, pessoal tem que ficar atento nessa bobeirinhas pra não fazer.

Write A Comment

Pin